Psicodella, por trás da história da banda

psicodella

Formada por Anie Doná (vocais), Walter Poletti (guitarra), Hailon Vaçan (baixo) e Daniel Borsato (bateria), eles formam a Psicodella. É uma banda do interior paulista, seu gênero é o rock e ganhou como melhor álbum de 2016 da região de São José do Rio Preto/SP.

Fiz uma entrevista com a banda via e-mail e o Walter Poletti nos respondeu, confira abaixo:

MR – Como e onde nasceu a banda Psicodella?

Walter Poletti – A PSICODELLA tem origem em São José do Rio Preto/SP, em 2011: ao retornar de uma extraordinária experiência musical nos EUA, Anie Doná e Walter Poletti se juntaram ao baterista Daniel Borsato, com quem trabalharam na extinta Don Crookane, e retomaram as atividades com o nome TORN, banda que Anie liderou entre 2002 e 2006.

MR – Qual estilo e bandas que influenciaram para a formação da banda?

Walter Poletti – Cada integrante tem influências específicas e variadas; é justamente essa somatória que molda nosso estilo de tocar e compor. Porém, podemos citar AC/DC, Black Sabbath, Led Zeppelin, Iron Maiden, System of a Down e Rage Against The Machine como as bandas que mais acrescentam ao nosso som.

MR – O que inspiram vocês a compor?

Walter Poletti –  O cotidiano! Nosso dia-a-dia dentro e fora dos palcos, a “correria”, as dificuldades, as conquistas e frustrações, as “baladas”, os shows, política, relacionamentos, comportamentos, enfim, tudo o que observamos e vivenciamos.

MR – Li a história da banda no facebook e vocês já abriram para várias bandas nacionais, exemplo para o Dr. Sin, e a Anie cantou uma música com eles e com o Raimundos  , como foi e como surgiu a oportunidade ?

Walter Poletti –  Quando abrimos para a Dr. Sin, eles tocaram dois dias seguidos e nós fomos a banda de abertura do primeiro show; fizemos contato com os integrantes e a Anie recebeu o convite para a noite seguinte. Desde então mantemos uma certa amizade, que se fortaleceu ao abrirmos novamente para eles, em Bauru, e culminou no resultado final de nosso CD PSICODELLA – produzido, gravado, mixado e com participação de Andria Busic. Com o Raimundos foi um pouco diferente: participamos do concurso do Planeta Rock 2016, tocando antes de CPM 22 e Titãs; na noite seguinte, tivemos acesso aos integrantes do Raimundos, nos apresentamos a eles e eles toparam que a Anie subisse ao palco. Ambas as experiências foram incríveis! Também abrimos shows de outros grandes artistas, como Velhas Virgens, O Rappa, Os Paralamas do Sucesso, NX Zero, Made In Brazil, Urbana Legion.

MR – Como é ser uma banda independente em pleno interior, longe da capital? Quais as oportunidades que surgem no caminho?

Walter Poletti –  A “cena rock” de São José do Rio Preto e região tem se fortalecido ao longo dos anos. Hoje, são inúmeras casas de shows e bares de rock espalhados por aí. Tocamos frequentemente em Rio Preto, Mirassol, Votuporanga, Jales, Fernandópolis, Catanduva, Urupês, Barretos, Paulo de Faria, Uchoa, Novo Horizonte, e até outras áreas como Pereira Barreto, Dracena, Paranaíba/MS, entre outras. Apesar da distância da capital e dos grandes centros, nossa música pode ser acessada em nosso canal do YouTube, e está disponível para download no Spotify e pelo site OneRPM; o single “Até logo” tem sido executado nas rádios KBoing FM, Educativa FM, Rádio UNIFEV, rádio WebFM. Além disso, temos participado dos maiores eventos de rock da região, como o Planeta Rock, Barretos Motorcycles e Senhora Rock!

MR – Qual o sonho da banda hoje?

Walter Poletti – O intuito é continuar a divulgação do primeiro CD (lançando, pelo menos, mais dois webclipes) e compor/produzir novos materiais; além disso, levar nosso rock and roll a cidades, casas e públicos diversos e participar, cada vez mais, de grandes eventos, ao lado de artistas renomados.

MR – O que pensam da música, principalmente o independente hoje em dia no Brasil?

Walter Poletti – Existem inúmeros artistas/bandas de qualidade, porém o pouco espaço dado ao rock na “grande mídia” e nas plataformas/redes sociais dificulta o acesso das pessoas a esse tipo de trabalho. Apesar disso, é interessante notar como as casas de rock têm se fortalecido (assim como as bandas), criando um público fiel e disposto a conhecer e se divertir com as novidades. Essa interação é real: uma conexão entre artistas (que trabalham com dedicação e coragem) e o fã (que apoia e sustenta o mercado independente).

MR – Como está o coração para tocar no 16 Barretos Motorcycle , na mesma noite que o Sepultura e o Raimundos? O que esperam deste show?

Walter Poletti – Particularmente, será uma das grandes experiências de minha vida. Sou fã de Sepultura desde 1993, quando ouvia os álbuns Chaos A. D. e Arise; e ainda tem Raimundos, talvez a maior banda do rock nacional na atualidade (a favorita da nossa vocalista Anie Doná), Detonautas Roque Clube e Landau. Um evento que cresce anualmente! Esperamos sempre fazer parte dele daqui pra frente.

MR – Ainda rola muito frio na barriga antes de entrar no palco?

Walter Poletti –  Em alguns casos, sim, especialmente em eventos onde não há “passagem de som” adequada ou há uma certa pressão devido ao tempo de montagem/desmontagem dos equipamentos, etc. Mas, em geral, temos nos saído muito bem!

MR – Metallica ou Megadeth?

Walter Poletti – Hahahaha!!! Vou responder por mim, tá? METALLICA!

Facebook: Psicodella

Twitter: @psicodellarock

Instagram: @psicodella

Youtube: Psicodella

Site : www.psicodella.com.br

E-mail : contato@psicodella.com.br

 

Gostaram???? Marque os amigos para curtirem esse som!!!

Crazy Punk

Mundo Rock

Anúncios

Uma consideração sobre “Psicodella, por trás da história da banda”

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s